Notícias

Notícias


Artigo Assinado

08/03/2017

Não à violência contra as mulheres!

No Dia Internacional da Mulher, artigo do Prof. Dr. Aldo Fornazieri reflete sobre os números alarmantes de violência contra as mulheres.

NÃO À VILÊNCIA CONTRA AS MULHERES
 
Este dia 8 de março de 2017, Dia Internacional da Mulher, deve ser um dia de apreensão e reflexão. Nas últimas semanas as notícias de atos de violência contra as mulheres chegaram a níveis que mostram a crescente e incontida agressividade masculina, a desumanização da sociedade e o retrocesso civilizatório. O Brasil se situa no quinto lugar dentre os países que mais praticam a violência contra a mulher. Não é aceitável que naturalizemos essa tragédia, assim como já naturalizamos a violência em geral e a violência no trânsito. 
 
A indiferença em relação à violência contra a mulher se constitui numa capa protetora para que este tipo de crime continue sendo perpetrado de forma crescente e impune. Embora tenham ocorrido avanços, a exemplo da Lei Maria da Penha, o fato é que muitos desses instrumentos são inefetivos. Quantas mulheres não denunciam a violência nas delegacias e nenhuma medida protetiva é tomada? Muitas delas voltam a ser agredidas, quando não assassinadas, após as denúncias.
 
Hoje são mais de 5 mil mulheres mortas por ano em casos típicos de violência contra a mulher. Nos últimos 10 anos, os homicídios de mulheres negras cresceram 54%. Dados do Ministério da Saúde mostram que 89% dos casos de violência sexual são cometidos contra pessoas do sexo feminino de baixa escolaridade. Deste total, 70% são de crianças e adolescentes. Outros dados mostram que 5 mulheres são espancadas a cada 2 minutos, que uma em cada cinco mulheres afirma ter sofrido algum tipo de violência por parte de homens e que 3 em cada 5 mulheres jovens sofreram algum tipo de violência nos relacionamentos. 
 
Estes e outros números mostram a situação brutal e inaceitável em que vivemos. Mostram que é preciso adotar atitudes drásticas no campo das denúncias, das punições, da mudança dos padrões culturais e morais da nossa sociedade. Não podemos ser tolerantes com os intolerantes, com aqueles que reduzem as mulheres a meras coisas passíveis de todo tipo de discriminação, abuso e violência. É certo que as mulheres sofrem vários outros tipos de discriminações que precisam ser combatidas. Mas precisamos nos dar conta de que estamos involuindo na questão mais elementar que separa a civilização e a barbárie, que é a questão da violência. É preciso fazer esta violência retroagir se a sociedade brasileira quiser ostentar algum qualificativo de dignidade. 
 
Aldo Fornazieri – Diretor Acadêmico/FESPSP  
 
 



Veja Mais

Mapa do site

FESPSP
Institucional
Biblioteca
Tecnologia
Pesquisa
Extensão
Eventos
FAQ
Estude na FESPSP
Graduação
Pós-Graduação
Extensão
Debates Contemporâneos
 
2ª via do boleto
Agência FESPSP
Artigos
Comunicado
Eventos
FESPSP na mídia
Notícias
Palestras
Publicações
Seminário FESPSP 2017
Contato
Fale Conosco
Trabalhe Conosco
Localização
Ouvidoria

FESPSP nas redes sociais

FESPSP - Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo

Rua General Jardim, 522
Vila Buarque - São Paulo - SP

11 3123 7800

© Copyright 2014 - FESPSP - Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo

by HKL

Dúvidas?

Nós ligamos para você!

Envie seus dados através do formulário abaixo e nossos atendentes entrarão em contato com você!