Notícias

Notícias


Cinema e Debate

14/11/2017

FESPSP recebe pré-estreia do documentário Fio de Esperança: Independência ou Guerra no Saara Ocidental

Embaixador saharaui e diretor do documentário conversaram com os alunos após a exibição.

Pouco se fala sobre o conflito no Saara Ocidental, onde o povo saharaui luta contra a ocupação marroquina do território. Na última segunda-feira, 13 de novembro de 2017, o Prof. Dr. Moisés Marques trouxe para a FESPSP (Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo) a pré-estreia do documentário Um Fio de Esperança: Independência ou Guerra no Saara Ocidental, que conta a história da busca pela independência da última colônia africana – um dos conflitos mais longos da atualidade. Abordando desde a frustração do povo saharaui até a neutralidade do Brasil diante deste confronto.
 
O filme mostra também a expectativa dos líderes e representantes da República Árabe Saharaui Democrática (RASD) de que o Estado brasileiro se posicione sobre a causa saharaui, denunciando que o Brasil importa sardinha e fósforo do Marrocos, que na verdade são retirados ilegalmente do Saara Ocidental. Além do professor, participaram dos debates depois da exposição Rodrigo Duque Estrada, um dos diretores do filme, e Emboirik Ahmed, embaixador saharaui e representante de Frente Polisário para o Brasil. 
 
Confira a sinopse:
 
Negligenciado pelo mundo, o Saara Ocidental é um dos conflitos de independência mais longos da história. O documentário conta a história da resistência do povo saharaui, que há 25 anos espera a realização de um referendo de autodeterminação. O filme explora a frustração crescente desse povo com o processo de paz da ONU, que está se transformando no símbolo de legitimação da ocupação marroquina no território. Seja nos acampamentos de refugiados - onde construíram um Estado em exílio sob as condições mais adversas do deserto -, nas zonas liberadas - uma das regiões mais contaminadas por minas terrestres do mundo - ou nos territórios ocupados pelo Marrocos - onde vivem sob opressão e medo constantes -, os saharauis falam cada vez mais em abandonar a resistência pacífica e retomar a luta armada para libertar sua terra.
 
Abundante em reservas de fosfato e com uma das zonas pesqueiras mais ricas do mundo, o Saara Ocidental foi objeto de cobiça das grandes potências desde o final do século XIX, quando passou a ser colonizado pela Espanha. Quase 100 anos depois, o imperialismo continuou jogando as cartas com a invasão marroquina ao território em 1975 (apoiado por países como Estados Unidos, França, Arábia Saudita e Israel), fazendo do Saara Ocidental a última colônia africana. Hoje em dia, ainda que nenhum país do mundo reconheça formalmente a ocupação marroquina, ainda sim diversas empresas estrangeiras exploram e comercializam recursos do Saara Ocidental, o que constitui violação a diversos dispositivos internacionais. Vergonhosamente, o Brasil é um desses países.
 
Ao longo das últimas quatro décadas, a Frente Polisario, representante legítima do povo saharaui de acordo com a ONU e a Corte Internacional de Justiça, obteve avanços significativos no campo da diplomacia e do direito internacional. Hoje são mais de 80 países que reconhecem a independência da República Árabe Saharaui Democrática (RASD). Na América Latina, apenas Argentina, Brasil e Chile não reconhecem a independência do povo saharaui, preferindo adotar uma posição de neutralidade que, comprovadamente, apenas continua a beneficiar a ocupação e a manutenção do status quo de um regime monárquico genocida. A busca pelo reconhecimento brasileiro da independência do Saara Ocidental já vem de longa data. O ex-governador Miguel Arraes, escrevendo em 1987, acreditava que se tratava apenas de uma questão de tempo: "o reconhecimento da República Árabe Saharaui Democrática não é apenas uma questão de justiça. É clara recomendação da realpolitik; a RASD tem o apoio decidido de toda a Comunidade Africana. E o nosso destino é inarredável do destino da África e do Terceiro Mundo".
 
"Um Fio de Esperança: Independência ou Guerra no Saara Ocidental", é um projeto completamente independente que traz uma narrativa politizada sobre a necessidade de um envolvimento mais ativo e altivo da diplomacia e da sociedade brasileira com a independência do Saara Ocidental - para que se possa reverter a suposta "neutralidade" que, ao fim e ao cabo, está apenas contribuindo para empurrar a situação para a guerra e sendo complacente com a usurpação do direito fundamental de autodeterminação dos povos.
 
Trailer: 




Veja Mais

Mapa do site

FESPSP
Institucional
Biblioteca
Tecnologia
Pesquisa
Extensão
Eventos
FAQ
Estude na FESPSP
Graduação
Pós-Graduação
Extensão
Debates Contemporâneos
 
2ª via do boleto
Agência FESPSP
Artigos
Comunicado
Eventos
FESPSP na mídia
Notícias
Palestras
Publicações
Seminário FESPSP 2017
Contato
Fale Conosco
Trabalhe Conosco
Localização
Ouvidoria

FESPSP nas redes sociais

FESPSP - Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo

Rua General Jardim, 522
Vila Buarque - São Paulo - SP

11 3123 7800

© Copyright 2014 - FESPSP - Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo

by HKL

Dúvidas?

Nós ligamos para você!

Envie seus dados através do formulário abaixo e nossos atendentes entrarão em contato com você!