Notícias

Notícias


Artigo Assinado

08/03/2016

Dia internacional da mulher: comemorar ou reivindicar?

A professora Anna Silvia de Rosal e Rosal, docente convidada da FESPSP (Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo), explica, em seu artigo, que apesar das conquistas há muito para as mulheres percorrerem rumo a igualdade.

É preciso dar um basta à violência doméstica contra a mulher

 
Por Anna Silvia de Rosal e Rosal
 
O conceito de gênero surgiu com a função de se opor ao determinismo biológico presente nas relações entre o masculino e o feminino e fortalecer, de modo igual, o aspecto relacional das concepções normativas da feminilidade. Gênero é um elemento constitutivo de relações sociais que se baseia nas diferenças percebidas entre os sexos. É o primeiro modo de significar as relações de poder (SCOTT, 1989). A luta feminina pela igualdade de gênero é tão antiga quanto importante. No ano de 1910, durante a II Conferência Internacional de Mulheres Socialistas, na Dinamarca, foi instituído o dia 8 de março como a data universal para homenagear as mulheres e fortalecer a luta pela igualdade de gênero. Em 1945 a Organização das Nações Unidas (ONU) assinou o primeiro acordo internacional contemplando princípios de igualdade entre homens e mulheres e em 1977, finalmente, a data foi reconhecida oficialmente pela ONU.
 
De sua instituição, em 1910, até hoje destacamos alguns avanços, como: o fortalecimento das mulheres no mercado de trabalho, o que promoveu a emancipação financeira e a possibilidade de desvincular o sexo com da gravidez, em decorrência do surgimento da pílula anticoncepcional. Essas conquistas abriram novos caminhos a serem trilhados em diversos âmbitos da vida feminina. No Brasil, destaca-se o voto feminino e o direito de ser eleita, alcançados em 1932. Posteriormente, a Lei do Divórcio, instituída em 1977 pelo Senador Nelson Carneiro, deu a mulher a possibilidade de desfazer o casamento fracassado e casar-se novamente. 
 
Apesar de tais vitórias a mulher tem um amplo cenário a desbravar, incluindo a igualdade de salários entre homens e mulheres que ocupam o mesmo cargo. Contudo, o mais urgente é o fim da violência doméstica, o que inclui, além das agressões físicas, a violência patrimonial, sexual, moral e psicológica. O Governo brasileiro identificou os 10 tipos mais frequentes: (1) humilhar, xingar e diminuir a autoestima; (2) tirar a liberdade de crença; (3) fazer a mulher achar que está ficando louca; (4) controlar e oprimir; (5) expor a vida íntima; (6) atirar objetos, sacudir e apertar os braços; (7) forçar atos sexuais desconfortáveis; (8) impedir a mulher de prevenir a gravidez ou obriga-la a abortar; (9) controlar o dinheiro e reter documentos, e; (10) quebrar objetos da mulher. Essa situação ultrajante reduz a mulher a refém do desequilíbrio de homens que entendem ter sua posse. Ao mesmo tempo, o machão sente-se ameaçado pela força feminina, por isso, precisa manter a mulher aprisionada. Cerceia o desejo e as escolhas de sua companheira na tentativa de assegurar a hegemonia masculina.  
 
Como visto, a maior luta a ser travada pela mulher começa dentro de sua própria casa. Enquanto estiver aprisionada a relações entre desiguais, brigar por melhores salários, por exemplo, torna-se secundário. Afinal, a mulher precisa apropriar-se ou apoderar-se de seu desejo, de sua vida para então lançar-se inteira e fortalecida na busca de direitos em outras esferas da sociedade. A luta precisa continuar. 
 
Anna Silvia Rosal de Rosal é pesquisadora e mestre em Psicologia, especialista em Psicoterapia Psicanalítica e professora convidada na Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP).
 



Veja Mais

Mapa do site

FESPSP
Institucional
Biblioteca
Tecnologia
Pesquisa
Extensão
Eventos
FAQ
Estude na FESPSP
Graduação
Pós-Graduação
Cursos Extensão
Debates Contemporâneos
 
2ª via do boleto
Agência FESPSP
Artigos
Comunicado
Eventos
FESPSP na mídia
Notícias
Palestras
Publicações
Seminário FESPSP 2017
Contato
Fale Conosco
Trabalhe Conosco
Localização
Ouvidoria

FESPSP nas redes sociais

FESPSP - Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo

Rua General Jardim, 522
Vila Buarque - São Paulo - SP

11 3123 7800

© Copyright 2014 - FESPSP - Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo

by HKL

Dúvidas?

Nós ligamos para você!

Envie seus dados através do formulário abaixo e nossos atendentes entrarão em contato com você!