Notícias

Notícias


Produção Científica

06/07/2015

Avanço do capital internacional fragmenta papel dos sindicatos

A Profa. Dra. Carla Regina Mota Alonso Diéguez, docente da FESPSP, apresentará durante o 17º. Congresso Brasileiro de Sociologia, um estudo que pretende entender como o capital internacional interfere no movimento sindical.

O trabalho intitulado NOVOS AGENTES, VELHAS PRÁTICAS: OS LIMITES DA AÇÃO SINDICAL NO MOVIMENTO DE RESISTÊNCIA DOS ESTIVADORES DE SANTOS NO CASO EMBRAPORT será apresentado, no dia 21 de julho próximo, em Porto Alegre/RS se propôs a analisar o movimento de resistência dos estivadores de Santos contra a Empresa Brasileira de Terminais Portuários (Empraport) ocorrida em 2013 com o propósito de entender como o avanço do capital internacional sobre o trabalho promove a fragmentação da ação sindical.
 
Serviço
 
Evento: 17º Congresso Brasileiro de Sociologia
Data: 21 de julho de 2015
Local: Porto Alegre-RS
Título do trabalho: NOVOS AGENTES, VELHAS PRÁTICAS: OS LIMITES DA AÇÃO SINDICAL NO MOVIEMTNO DE RESISTÊNCIA DOS ESTIVADORES DE SANTOS NO CASO EMBRAPORT
Autora: Carla Regina Mota Alonso Diéguez
 
Resumo: 
 
Esse trabalho propõe analisar o movimento de resistência realizado pelos estivadores de Santos contra a Empresa Brasileira de Terminais Portuários (Embraport) no ano de 2013 com o propósito de entender como o avanço do capital internacional sobre o trabalho promove a fragmentação da ação sindical, explica Carla. “A Embraport, empresa a qual parte do controle acionário é de capital estrangeiro, iniciou suas operações em Santos em julho de 2013 e propôs aos estivadores, uma das últimas categorias a trabalhar totalmente em caráter avulso, o estabelecimento de acordo coletivo com a contratação por vínculo empregatício por tempo indeterminado”.
 
Segundo a pesquisadora, contra esta proposta, dado que consideravam a manutenção do caráter avulso fundamental para impedir o controle total do capital sobre o trabalho portuário, os estivadores realizaram um movimento de resistência, que contou com baixa participação dos trabalhadores e resultou em assinatura de acordo coletivo com a previsão de vínculo empregatício. “Acredita-se que o fracasso do movimento ocorreu devido ao processo de privatização e flexibilização do trabalho e a resistência do capital internacional a ação sindical, que resultou em enfraquecimento do sindicato e dos instrumentos de luta”.
 
Sobre a autora
 
Carla Regina Mota Alonso Diéguez é doutora em Ciências Sociais, com mestrado em Sociologia e bacharelado em Ciências Sociais. Atualmente é docente e pesquisadora da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo e tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em Sociologia do Trabalho, atuando principalmente nos seguintes temas: trabalho, trabalho portuário, sociologia, sindicalismo, modernização portuária e porto. Veja o Currículo Lattes da professora.



Veja Mais

Mapa do site

FESPSP
Institucional
Biblioteca
Tecnologia
Pesquisa
Extensão
Eventos
FAQ
Estude na FESPSP
Graduação
Pós-Graduação
Extensão
Debates Contemporâneos
 
2ª via do boleto
Agência FESPSP
Artigos
Comunicado
Eventos
FESPSP na mídia
Notícias
Palestras
Publicações
Seminário FESPSP 2017
Contato
Fale Conosco
Trabalhe Conosco
Localização
Ouvidoria

FESPSP nas redes sociais

FESPSP - Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo

Rua General Jardim, 522
Vila Buarque - São Paulo - SP

11 3123 7800

© Copyright 2014 - FESPSP - Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo

by HKL

Dúvidas?

Nós ligamos para você!

Envie seus dados através do formulário abaixo e nossos atendentes entrarão em contato com você!