Notícias

Notícias


Dia Internacional da Mulher

08/03/2015

08 de março, um dia de luta pela igualdade

Convidamos a Profa. Dra. Caroline Cotta de Mello Freitas, docente da FESPSP para escrever um artigo sobre o Dia Internacional da Mulher, data que celebra os avanços pela igualdade de gênero no nível político, econômico e social. Boa leitura!

Por Caroline Cotta de Mello Freitas

No dia 08 de março se comemora o Dia Internacional da Mulher, uma data em que se celebram os avanços alcançados na luta pela igualdade de gênero no nível político, econômico e social. É também um dia em que os movimentos feminista e de mulheres lembram as conquistas e os pontos ainda pendentes na luta pela igualdade, como erradicar a violência contra as mulheres, conquistar igualdade salarial, incrementar a presença das mulheres no âmbito político e em cargos como no legislativo, garantir o direito ao próprio corpo. A agenda é extensa e a luta é árdua. No Dia 08 de março, além de felicitações, o que as mulheres desejam é respeito e igualdade.

Em relação à violência contra a mulher, conforme dados levantados do Mapa da Violência 2013(1) , até os 14 anos de idade, a maior percentagem de atendimentos realizados pelo SUS, em relação à violência física, tem como principais agressores os pais das vítimas. No mesmo contexto, dos 15 aos 59 anos, os agressores preponderantes são parceiros e ex-parceiros; e, acima dos 60 anos, a violência é causada prioritariamente pelos filhos. O Brasil ocupa, atualmente, o sétimo lugar no ranking mundial dos países com mais crimes praticados contra as mulheres. Ocorrem em torno de 4,5 homicídios para cada 100 mil mulheres, a cada ano. Nos últimos 30 anos, foram assassinadas cerca de 92 mil mulheres, tendo sido 43,7 mil apenas na última década, o que denota aumento considerável deste tipo de violência a partir dos anos 90. O levantamento aponta um crescimento de 4,6% ao ano de 1980 a 1996. A partir de 1996, as taxas caem porque a população feminina aumenta, ou seja, os números absolutos continuam em crescimento, mas proporcionalmente diminuem. Ressalta-se que em 2007 há uma queda significativa (7,6%), ano subsequente à entrada em vigor da Lei Maria da Penha (Lei 11.340/2006), mas tal queda não se mantém e os números continuam a crescer. E novamente, apesar de ser proporcionalmente muito menor que os homicídios de homens, a taxa de homicídios de mulheres aumentou 17,2% de 2001 a 2011, enquanto a taxa masculina foi de 8,1% considerando o mesmo período. Obviamente, tais homicídios (ou feminicídios, melhor dizendo) são a última consequência de um histórico de violação de direitos da mulher.

Este texto apresenta dados sobre a violência contra a mulher, mas é importante lembrar que poderia mencionar informações sobre questões que envolvem o mundo do trabalho e as desigualdades salariais, ou aspectos relativos à saúde reprodutiva e informações sobre os abortos realizados no país, violência obstétrica, ou discriminação por orientação sexual, ou as limitações quanto à autonomia e liberdade para a construção das múltiplas identidades de gênero, ou as desigualdades específicas vividas pelas mulheres negras em todos os âmbitos da vida, entre outros temas. Muito avançamos em termos de direitos e de promoção da igualdade de gênero, mas ainda falta muito a fazer. O Dia Internacional da Mulher é um dia em que devemos lembrar que a diferença é um fato, a igualdade é um valor e a desigualdade de gênero é uma violação de direitos, isto é, devemos todas e todos ter nosso direito a ser quem somos igualmente garantido. O dia 08 de março é um dia de luta!
 

(1)Waiselfisz, Julio Jacobo. Mapa da Violência 2013, Homicídios e Juventude no Brasil, Rio de Janeiro, 2013.

Sobre Caroline Cotta de Mello Freitas

Graduada em Ciências Sociais, mestre em Antropologia Social e doutora em Antropologia Social. Atualmente é professora Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP). Tem experiência na área de Antropologia, com ênfase em Nação, Nacionalismo, Memória, Identidade, Diversidade Cultural, atuando principalmente nos seguintes temas: nação, nacionalismo, identidade, etnicidade, América Latina, Bolívia, memória, imigração, relações raciais, relações inter-étnicas e transformações sócio-culturais.




Veja Mais

Mapa do site

FESPSP
Institucional
Biblioteca
Tecnologia
Pesquisa
Extensão
Eventos
FAQ
Estude na FESPSP
Graduação
Pós-Graduação
Extensão
Debates Contemporâneos
 
2ª via do boleto
Agência FESPSP
Artigos
Comunicado
Eventos
FESPSP na mídia
Notícias
Palestras
Publicações
Seminário FESPSP 2017
Contato
Fale Conosco
Trabalhe Conosco
Localização
Ouvidoria

FESPSP nas redes sociais

FESPSP - Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo

Rua General Jardim, 522
Vila Buarque - São Paulo - SP

11 3123 7800

© Copyright 2014 - FESPSP - Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo

by HKL

Dúvidas?

Nós ligamos para você!

Envie seus dados através do formulário abaixo e nossos atendentes entrarão em contato com você!